Vários jogadores e dirigentes da primeira e da segunda liga do futebol espanhol foram ontem detidos no âmbito da operação Oikos, por suspeitas de terem criado uma organização para manipular os resultados de jogos e obter benefícios em apostas desportivas.

Um dos detidos, o ex-jogador do Real Madrid Raúl Bravo, seria o cabecilha, mas as autoridades também detiveram Borja Fernández, do Valladolid, Íñigo López, do Desportivo da Corunha, Samuel Saiz, do Getafe, Carlos Aranda, ex-jogador de várias equipas da primeira divisão, Agustín Lasaosa e Juan Lanuza, presidente e chefe clínico do Huesca.

Todos os detidos são suspeitos de organização criminosa, corrupção e branqueamento de capitais. De acordo com a investigação, a rede selecionava jogos nas duas principais ligas e corrompia futebolistas, aos quais pagava em dinheiro para contribuírem para a vitória da equipa adversária.

Fonte: Jornal de Notícias e O Jogo